Professores e doutorandos da UnB lançam livro sobre Hermenêutica e Análise dos Discursos em Jornalismo

Um olhar aprofundado sobre o Jornalismo. É o que define o livro Hermenêutica e Análise dos Discursos em Jornalismo, que está sendo lançado por professores e doutorandos do programa de Pós-Graduação em Jornalismo e Sociedade da Faculdade de Comunicação da UnB. O objetivo foi popularizar a hermenêutica como método de interpretação e de busca de compreensão das notícias. O lançamento do livro será no dia 13 de dezembro (quarta-feira), no Carpe Diem (104 Sul), a partir das 19 horas.

 

Anúncios

Conheça a marca que representará Brasília

Alunos do IESB vencem concurso nacional que escolheu a marca que representará a cidade e ajudará a potencializar o turismo da capital

A capital federal acaba de ganhar uma marca que carrega toda sua identidade. Promovido pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Distrito Federal (Fecomércio), com apoio de instituições de nível superior, agências de publicidade, fundações e entidades ligadas ao setor produtivo, o concurso Marca Brasília selecionou o design “Skyline” – criado pelos alunos do Centro Universitário IESB Igor Guimarães Borges e Matheus Gomes de Vasconcelos – como vencedora da disputa e do prêmio de R$ 20 mil. A partir de agora, essa será a representação da capital federal para o mundo.

Foram mais de 900 inscrições e cerca de 500 pré-selecionadas. A nova marca, com  traços simples que remetem as principais obras de Oscar Niemeyer, foi escolhida em votação popular com a preferência de 46% do público votante, entre os 1.809 participantes. A escolha vencedora levou em consideração aspectos que melhor destacavam a cultura da capital, bem com a singularidade arquitetônica.

Aluno do último semestre do curso de Design Gráfico, Igor Borges afirmou que sua preocupação ao criar a marca foi de que as pessoas não se limitassem a ler, mas sentissem a palavra “Brasília”. “Por isso as letras são alongadas, para dar a sensação do planalto, do horizonte aberto. As curvas representam os monumentos – Congresso Nacional, Catedral, Teatro Nacional, Museu Nacional – cartões postais da nossa cidade. A melhor sensação é saber que agora terei uma criação que estará na história da capital federal”, disse Igor.

Para Matheus Vasconcelos, graduado em Design Gráfico e aluno do curso de Arquitetura e Urbanismo do IESB, a marca de toda cidade é sua arquitetura. Segundo o designer, o objetivo era passar a monumentalidade de uma cidade moderna como Brasília. “A marca criada por nós é incomum. A própria tipografia da logo diz sutilmente o que a capital federal representa, ressaltando as suas belezas arquitetônicas. As cores que escolhemos foram azul, branco e o laranja, que também estão diretamente ligadas à cidade. O branco que predomina na maioria dos monumentos. O azul do céu, dos vitrais e espelhos d’água. O laranja nos lembra o pôr do sol do Cerrado. A marca agora é de domínio público, mas sugerimos quem sejam usadas essas três cores, pois combinam entre si”, ressaltou Vasconcelos.

A conquista do prêmio por dois dos alunos da instituição, encheu de orgulho a professora Cristiane Arakaki, coordenadora do curso de Arquitetura e Urbanismo. “É muito bom saber que estamos contribuindo para a formação de profissionais qualificados. A vitória nesse concurso comprova que o IESB já é uma referência em Design Gráfico no Brasil e agora terá a criação de seus alunos reconhecida internacionalmente”, comemorou.

Segundo Cláudia Maldonado, integrante da Câmara Temática de Turismo e Hospitalidade da Fecomércio e presidente da Associação dos Dirigentes de Vendas e Marketing do DF (ADVB/DF),  a escolha popular por uma marca não óbvia, mas que, ao mesmo tempo, consegue expressar as características de Brasília, reconhecida como Patrimônio Cultural da Humanidade pela Unesco, mostra que a arquitetura da cidade é um marco. “Trabalhamos bastante para chegar à escolha final. Ficamos contentes com o resultado, pois representa bem Brasília. O mais importante é que ela faz as pessoas pensarem sobre a cidade e incentiva o sentimento de pertencimento”, afirmou Maldonado.

Confira os gabaritos extraoficiais das três etapas do PAS de 2017

A maratona de provas do Programa de Avaliação Seriada da Universidade de Brasília (PAS/UnB) acabou e chegou a hora de os estudantes checarem o desempenho. Segundo avaliação do professor do colégio Galois Euclides Chacon, em relação aos anos anteriores, o nível de dificuldade aumentou. “A prova exigiu mais dos alunos, mas tudo dentro do conteúdo programático e com um nível de interdisciplinaridade excelente, juntando questões de química com biologia, física e matemática. Isso é importante, porque o candidato tem que saber lidar com esse tipo de exercício”, analisou. Enquanto os candidatos esperam as respostas oficiais preliminares, que serão publicadas pelo Cebraspe na quarta-feira (6/12), o blog Edson Machado divulga os gabaritos extraoficiais das três etapas do PAS de 2017 feitas pelos professores do colégio Galois. Clique aqui para acessar a página.

Prova do PAS acontece neste domingo

A prova do Programa de Avaliação Seriada (PAS), que garante uma vaga na Universidade de Brasília (UnB), está marcada para o próximo domingo (3/11), às 13h, para os participantes das três etapas. Além de escrever uma redação, os candidatos irão responder questões objetivas que envolvem as seguintes disciplinas do ensino médio: Artes Cênicas, Artes Visuais, Biologia, Filosofia, Física, Geografia, História, Língua Portuguesa, Literaturas de Língua Portuguesa, Matemática, Música, Química, Sociologia e Língua Estrangeira (Espanhol, Francês ou Inglês).

A UnB pede que os estudantes estejam nos locais com antecedência. O participante precisa levar documento de identificação com foto e caneta esferográfica de tinta preta (fabricada em material transparente). Não esquecer a documentação, conferir o local de prova e levar um lanche para repor as energias são as dicas do professor de Química, Euclides Chacon, do Colégio Galois. “É muito importante que o aluno saia de casa com antecedência, lembrando que estamos em período de chuva e isso poderá causar transtorno no trânsito. Quanto mais cedo o estudante se organizar, melhor”, orienta Chacon. “Sobre o conteúdo de química, os alunos do primeiro ano devem tomar muito cuidado com os métodos de separação de misturas. Já interações moleculares vêm caindo muito no conteúdo do segundo ano, assim como eletroquímica é constante nas provas da terceira etapa do PAS”, resume o professor.

São 4.222 vagas para quem for aprovado na 3ª etapa do PAS 2017. Destas, 2.112 são para o primeiro semestre e as demais para o segundo. As oportunidades são para os campi Darcy Ribeiro, Ceilândia, Planaltina e Gama, todos no Distrito Federal. Há reserva de vagas para estudantes de escolas públicas (independentemente da etnia e autodeclarados pretos, pardos e indígenas), sistema de cotas para negros e reserva para pessoas com deficiência.

Resultado

Para a terceira etapa, as notas da redação serão divulgadas em 21 de dezembro e a primeira chamada é esperada para o dia 22 de janeiro de 2018. O desempenho individual do candidato poderá ser consultado em 12 de março. As demais etapas do PAS poderão acessar suas notas preliminares em 21 de fevereiro e a versão final sairá em 15 de março. Já o boletim definitivo estará disponível em 4 de maio de 2018.

Os desafios do novo Ensino Médio e Educação Integral no Brasil

Profissionais da área de educação participaram esta semana, em Brasília, do Seminário Perspectivas e Proposições para a Educação Integral:  Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio.  Realizado pela Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal (SEEDF), por meio da Subsecretaria de Educação Básica (COEIF/COEJA), o encontro debateu sobre a reforma do Ensino Médio, as concepções da educação integral e a socialização de experiências pedagógicas bem sucedidas em âmbito nacional.

Durante o evento, o blog Edson Machado conversou com Wisley Pereira, Coordenador Geral de Ensino Médio da Secretaria de Educação Básica do Ministério da Educação (MEC).

Quais os principais desafios para a reforma do Ensino Médio?

O novo Ensino Médio aborda o fomento ao tempo integral, o incentivo às formações técnicas e a flexibilização do currículo, que deixa de ter 13 disciplinas obrigatórias e passa a ter apenas três. Isso permitirá aos estudantes optarem pelas áreas do conhecimento e itinerários formativos que estejam de acordo com suas vocações. É um trabalho de ampliação gradual da jornada escolar conforme o Plano Nacional de Educação (PNE). Desta forma, fazer a lei foi muito importante, mas a parte mais difícil será a implementação do currículo de acordo com a necessidade de cada secretaria estadual. A carga horária passará de 2.400 horas mínimas para 3.000 horas, sendo o limite máximo de 1.800 horas para a Base Nacional Curricular Comum (BNCC) e as demais, mínimo de 1.200 horas, serão voltadas para o currículo flexível, customizado e pensado por cada unidade escolar, conforme sua capacidade de instalações e realidade dos estudantes.

O novo ensino médio já começa em 2018?

Muitas secretarias devem começar projetos pilotos para o próximo ano. O próprio GDF já está se organizando, aguardando a BNCC para pensar em um ensino que tenha significado e que possa aproveitar melhor as capacidades de instalações do DF. No Guará, por exemplo, está sendo construída uma escola de formação técnica e profissional de formação. Portanto, é um momento de organização e mudança. Esperamos que até 2019, todas as escolas da rede pública estarão aptas a colocar em prática o novo Ensino Médio.

O Plano Nacional de Educação (PNE) estabelece que, até 2024, 25% das matrículas sejam de educação integral. Como as escolas brasileiras estão se preparando para isso?

O MEC tem três políticas de ensino em tempo integral. Uma na educação de Ensino Fundamental, com o programa Mais Educação, que já atendeu mais de 4.800 municípios e teve investimento que ultrapassou R$ 900 milhões; outro programa é o Ensino Médio Inovador, que também amplia a permanência do estudante na escola, e o terceiro são as escolas de ensino médio em tempo integral, do programa Fomento, com uma transferência de recurso de 2 mil reais por aluno matriculado no ensino médio. Só neste último, o MEC investirá mais de 1 bilhão de reais nos próximos anos. Lógico, estamos fazendo um esforço muito grande para atingirmos as metas do PNE, mas sabemos que são metas audaciosas que, com a participação dos municípios e estados, se não atingirmos, chegaremos muito perto.

Além da verba, quais os desafios para a implantação do ensino integral no Brasil?

O grande desafio é colocarmos todos na mesa para discutirmos que currículo precisamos fazer. E como essa responsabilidade é do sistema de ensino, ele precisa envolver os estudantes e os professores para desenhar um currículo que atenda a especificidade de cada escola. Não é simples, nem fácil, mas é possível construir um ensino médio muito melhor ao que estamos praticando, garantindo qualidade.

E como vocês pretendem trabalhar a questão do mercado de trabalho no ensino integral?

Um grande avanço da reforma é o aluno poder fazer o ensino técnico e profissional dentro da carga horária do ensino médio. Ou ainda fazer um curso de qualificação. Mas tudo isso será dentro de um processo. O passo agora é fazer orientações e oferecer apoio pedagógico às secretarias para que elas entendam, de fato, como é possível construir currículos inovadores. Vamos fazer uma grande revolução no ensino médio brasileiro.

Na discussão do novo ensino médio, pouco se fala sobre o ensino fundamental 2, que é justamente onde ocorre a transição do aluno para esta nova fase. Quais os principais pontos que devem ser analisados neste período letivo?

Temos uma dificuldade em todo o percurso de formação dos estudantes e um dos grandes avanços que o MEC está fazendo para melhorar isso é a BNCC, que garante a orientação dos currículos desde a educação infantil até o ensino médio. Um percurso formativo para garantir as habilidades e competências que os estudantes têm por direito. Temos políticas públicas de alfabetização, ensino médio, mas os anos finais também são partes relevantes do processo. É ali que existe a maior evasão do nosso sistema educacional brasileiro. Estamos preocupados e criando programas que atendam e apoiam os Estados na busca de um sistema de cooperação para minimizar esses problemas, envolvendo, por exemplo, o terceiro setor, o sistema S e empresários. Precisamos entender que a educação não é responsabilidade só do governo, é um tripé. Uma responsabilidade da família, do governo e da sociedade civil.

IESB lança Ensino Médio em Ceilândia

Inovação, qualidade e competência. Em 2018, os diferenciais que tornaram o Centro Universitário IESB referência de Ensino Superior no Distrito Federal, também estarão disponíveis para o Ensino Médio com o lançamento do Ensino Médio IESB, em Ceilândia. O colégio abre suas portas com uma proposta pedagógica diferenciada e adaptada à reforma implementada pelo Ministério da Educação. Além da uma infraestrutura funcional e laboratórios modernos, os alunos contarão com uma plataforma digital completa; material didático focado para aprovação no Enem, PAS e vestibulares; estudos desenvolvidos por trilhas do conhecimento; acompanhamento educacional contínuo; orientação vocacional e incentivo a projetos culturais. E também serão incentivados a executar seus próprios projetos no Espaço Maker, preparado especialmente para desenvolver capacidades e aptidões. Esse novo conceito de aprendizagem, que já se revela uma tendência mundial, estimula a criatividade e a autonomia e, quando aliados aos conteúdos e habilidades curriculares, impele os alunos a desenvolverem ideias que causam impacto social.

Muito mais que apenas conteúdo, os estudantes do Ensino Médio IESB também serão preparados para serem agentes de mudança da sociedade. Eles estarão aptos a utilizar as diversas formas de linguagem do mundo contemporâneo de maneira crítica e criativa; serão motivados a desenvolver uma atitude de investigação, reflexão e crítica diante do conhecimento; terão capacidade de construir novos conhecimentos e novas formas de interferir na realidade; compreenderão os processos da natureza e da consciência ambiental; adotarão uma atitude de valorização, cuidado e responsabilidade individual e coletiva em relação à vida; e estarão comprometidos com o exercício da cidadania, a participação social e política e a transformação crítica, criativa e ética da realidade social. “Estamos inaugurando o Ensino Médio IESB com o compromisso de desenvolver nossos alunos nas suas diversas dimensões. Viemos para revolucionar a maneira de ensinar e de aprender”, afirma Eda machado, fundadora do IESB.

Práticas Inovadoras de Ensino

O Decanato de Ensino de Graduação (DEG) da Universidade de Brasília (UnB) promove, dia 20 de novembro, às 14h30, mais uma edição do Fórum Permanente de Planejamento e Estratégias de Graduação. O encontro dos coordenadores de cursos acontecerá no laboratório do ITAE, no primeiro andar do prédio do CDT, com o tema Práticas inovadoras de ensino. Sérgio Freitas, diretor do Centro de Educação a Distância (CEAD), será o palestrante e também participará da discussão. Mais informações: 3107-0499.

A força do empreendedorismo feminino

Pela primeira vez, o Women’s Entrepreneurship Day (WED), que celebra o empreendedorismo feminino, será realizado no Brasil. O evento acontecerá no dia 17 de novembro, no Auditório D do Centro Universitário IESB, na 613 sul, e faz parte de um movimento que incentiva as mulheres a assumirem o protagonismo no mercado de trabalho empreendedor, fomentando ações de empoderamento, impulsionando a expansão econômica e fortalecendo vínculos entre pessoas que apoiam tais causas.

Na abertura da programação, a professora Eda Machado, fundadora e reitora do IESB, ministrará palestra sobre Investimentos na Educação. Além da educadora, também serão homenageados e farão palestras personalidades como a ministra Delaíde Arantes, do Tribunal Superior do Trabalho; o presidente da FIBRA DF, Jamal Jorge; a advogada e professora Ana Frazão (UnB); a jornalista Mara Régia, idealizadora do projeto Viva Maria; a criadora do aplicativo Malalai, Priscila Gama, e os empresários Kátia Ferreira, da Apoena, e Wylson Philip, da Academia Nadarte. Também serão apresentados cases de sucesso e ações sociais de apoio e capacitação de mulheres já realizadas por personalidades. Empresários, influenciadores digitais, representantes do poder público e executivos integram a lista de convidados.

O WED foi criado em 2014 por Wendy Diamond, empreendedora social e humanitária e é celebrado anualmente no dia 19 de novembro. O evento brasileiro é organizado por Cristina Castro Lucas, embaixadora da Women’s Entrepreneurship Day Organisation Brazil (WEDO Brazil).

 

%d blogueiros gostam disto: