Hoje é o Dia da Educação

 Edson Machado

16721983199_3c99372b43_z

Hoje, 28 de abril, é o Dia da Educação. E o que temos para comemorar?

Conhecido como um país do samba e carnaval, o Brasil traz em sua alma o peso da herança colonial e da escravidão. Talvez por isso, mesmo com alguns progressos nos últimos anos, o país ainda esteja longe de ser a Pátria Educadora que o governo destaca em seu slogan.

E para entender porque a educação nunca foi prioridade por aqui, basta olharmos para a história, que percebemos, por exemplo, que ao contrário das Américas Espanhola e Inglesa, que tiveram acesso ao ensino superior já no período colonial, o Brasil teve que esperar até o final do século XIX, 400 anos depois do seu descobrimento, para ver surgir as primeiras instituições culturais e científicas deste nível. A primeira universidade, a Universidade Federal do Amazonas – UFAM, só foi fundada em 1909. Depois, em 1912, surgiu a universidade no Estado do Paraná, mas que durou apenas três anos, e em 1920 a Universidade do Rio de Janeiro, hoje Universidade Federal do Rio de Janeiro, que reunia os cursos superiores da cidade: a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e a Faculdade de Direito – que surgira a partir da fusão da Faculdade Livre de Direito e da Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais.

Esse atraso na educação teve sérias consequências, entre elas, o alto grau de analfabetismo, que embora esteja diminuindo, ainda temos 13 milhões de brasileiros que não sabem ler e escrever, segundo a última Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O número representa 8,7% da população acima de 15 anos e é maior do que a população inteira da cidade de São Paulo. Isso significa que é muito difícil que o Brasil cumpra o pacto internacional de reduzir pela metade o analfabetismo de adultos até o fim do ano. Além disso, apesar de pesquisas apontarem uma tendência de democratização do ensino superior nos últimos dez anos, os dados indicam que os estudantes brancos e a parcela mais rica da população ainda são maioria nas universidades do país.

No entanto, temos pontos positivos. De acordo com o Ministério da Educação (MEC), em 12 anos o Brasil teve crescimento de 80% no número de concluintes do Ensino Superior. Enquanto em 2002, apenas 466,2 mil alunos completaram as atividades de graduação em universidades públicas e privadas, em 2014 foram mais de 837,3 mil alunos. Para se ter uma ideia, entre 1995 e 2002, o País teve um total de 2,4 milhões de concluintes do Ensino Superior. Já com os programas de acesso à educação superior, como o Programa Universidade para Todos (ProUni), Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) e o Sistema de Seleção Unificada (Sisu), o número saltou para 9,2 milhões de graduados entre 2003 e 2014.

Com mais alunos se formando e mais investimentos no ensino superior, aumentou também o número de mestres, mestres profissionais e doutores no País. Entre 2002 e 2014, o número de titulados por ano mais que dobrou: foram 31,3 mil em 2002 e 66,9 mil no ano de 2014.

Estamos caminhando… quem sabe daqui mais 400 anos poderemos fazer uma festa de verdade para celebrar essa data tão importante para um país.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: