Universida​des americanas buscam novas fontes de financiame​nto

Modelo serve de alerta para o Brasil

Edson Machado

Na edição do dia oito de junho do boletim Inside Higher Education, o jornalista Scott Jaschik comenta decisão recente do Senado Acadêmico da Universidade da Califórnia, em Los Angeles, sobre uma questão que vinha sendo discutida há cerca de dois anos: o financiamento do governo para seus cursos.

Como é sabido, a UCLA faz parte do Sistema Estadual da Califórnia, portanto recebe recursos governamentais, mas também cobra taxas, especialmente nos seus programas de pós-graduação. No entanto, a Anderson School of  Management da UCLA decidiu que não quer mais receber subsídios  para o seu programa de MBA, que passa assim a se sustentar apenas com doações e com a receita das taxas pagas pelos estudantes. Para colocar em prática este novo modelo, será necessário aumentar o valor pago pelos alunos. Desta forma, o MBA da Anderson será um dos mais caros dos Estados Unidos, mas ainda mais barato do que, por exemplo, o da  Wharton School da Universidade da Pennsylvania.

A decisão foi tomada em uma votação secreta muito apertada,  53 a 46, o que mostra que a questão não era pacífica, como ainda não é. Dentre os opositores, o próprio Conselho de pós – graduação da Anderson já havia se posicionado contra a ideia, com receio de que a falta de recursos levasse a uma queda da qualidade do ensino.  Os defensores da proposta argumentavam que com a redução crescente dos recursos governamentais – que já representavam uma parcela ínfima do orçamento da Anderson – mais cedo ou mais tarde haveria uma necessidade de reformular o modelo de financiamento da instituição. O MBA seria uma experiência a ser ou não aplicada a outras situações .

O caso da Anderson School chama atenção por ser um exemplo claro da situação em que se encontram muitas universidades americanas com a redução ou o estancamento dos recursos governamentais para estas instituições. E isso serve de alerta para o Brasil.

A atual greve dos professores das universidades federais brasileiras deveria, mais uma vez, levar-nos a uma reflexão profunda sobre o seu modelo de financiamento. O governo federal, na era Lula, no afã de expandir as oportunidades de acesso, primou por fundar várias novas universidades e estimular a criação de extensões das já existentes. Ninguém sabe ao certo quanto isto está  custando ao país, mas sabe-se que os recursos saem apenas do tesouro nacional. Sem identificar nenhuma, para não cometer injustiças, é sabido que muitas dessas novas instituições não fazem juz a designação de  Universidade, mas passaram a fazer juz aos benefícios assegurados às mais antigas e tradicionais Universidades do país. A que custo? Não sabemos!  Ao custo da limitação dos recursos destinados as mais antigas, que por isso não podem se modernizar?

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: